- O parto Natural e humanizado de verdade - A maneira segura e emocionante de ajudar mulheres trazer crianças ao mundo

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Uma Longa História

Meu relato sobre o aprto da Renata dias Gomes
Este caso começou há mais de seis anos com uma graaaande barriga, uma escritora de novelas e a maior anemia que vi na vida.

Aquela criança com cara de criança de sobrenome intrigante (Dias Gomes) estava então grávida de sua menina, Maiara, que veio fácil de um parto longo, mas não sofrido... E de cócoras.

Eu a aconselhava pelo MSN e desde sempre percebi toda sua gratidão. Nos conhecemos pessoalmente, “imprevisivelmente”, num encontro da Fadynha em novembro de 2004.

A Renata sempre foi uma das mulheres mais originais e espontâneas que conheci. Queria ser autora de novelas e simplesmente conseguiu. A coisa deve estar no sangue!

A amizade ficou e apesar dela não saber se algum dia viria outro bebê, eu sabia. Agora é fácil falar tanta coisa, mas isso eu sentia muito claramente.

Então ano passado com pouquíssimas semanas, ela me contou que estava grávida e que queria minha presença em seu parto. Tão cedo ela já havia decidido onde teria seu filho, quem estaria lá. Só não sabia como seria, porque não tinha jeito.
Fiquei feliz e extremamente lisonjeada por saber que eu era uma das “coisas” que ela queria.

Nos vimos uma vez na gravidez, mas valeu por várias... 5h de consulta rs! E o MSN religiosamente, claro.

A Maiaira nasceu com 38s4d, no dia 20 de abril, um dia depois do pai. Todos pensávamos que o Tom nasceria num destes dias ou na seqüência. Mas o Tom, filho de quem é, tinha que surpreender.

No meio disso tudo, aconteceu a tal enchente no Rio. Ninguém ia a lugar algum. Mas para ele, seria muito previsível nascer assim, então, de maneira inteligente, esperou o momento certo.

Paramos – mas nem taaaanto assim - de fazer apostas de datas, porque tudo que cogitamos não se confirmou... Apesar de eu ainda divagar sobre o fato de que os partos que acompanho no Rio tem acontecido de 4 em 4 meses, exatamente no dia 26.

E na manhã deste dia, vi uma mensagem do Lipe no twitter “É tranqüilizador quando sua mulher quase parindo te diz ‘Amor agora vai’!”

Fiquei preocupada demais com a possibilidade de não chegar. Ela sempre existe, mas além da dificuldade natural, o trânsito estava muito engarrafado.

Por volta de 11h, a Renata me ligou contando que já havia sido avaliada pelo obstetra e que estava com 5 pra 6 de dilatação. No parto anterior esta fase se desenrolou em 1h...

Enfim cheguei à sua casa e depois ao seu quarto onde a encontrei relaxada e a vontade em sua pequena piscina. Vi o Chico assim que cheguei pela janela. Fiquei feliz por estar ali.

A Renata para mim é uma amiga e eu nunca havia participado do parto de uma amiga. Enfim eu estava pronta para ajudar aquela mulher que, de tantas formas, me ajudou.

O Chico procurava ficar fora do quarto para deixar todos a vontade e isso foi muito legal. Ele não estava no cômodo, mas conseguia se fazer presente.

Foi muito diferente acompanhar o trabalho de parto da Renata porque ela é toda diferente! Enquanto com as outras mulheres, eu tento falar o mínimo possível, fazer com que ela entre em si e viva intensamente seu parto, com a Renata essas teorias não são aplicáveis e esta foi mais uma lição: as mulheres podem ser muito diferentes até mesmo em momentos tão – aparentemente apenas - biológicos.

Ao contrário de todas as mulheres, a Renata buscava nossos olhares para conversar. Queria saber o que falávamos entre nós, queria trocar... E só entrava em seu parto a cada contração. Neste momento fazíamos massagens, silenciávamos, apoiávamos.

Quando as contrações passavam, ela não parecia estar em trabalho de parto: parecia uma criança pela primeira (ou segunda) vez num parque de diversões. A Renata se divertiu em seu parto. Curtiu cada instante. Me mostrou que a mulher pode nos dar uma segurança, além da técnica, de que tudo vai dar certo. E que eu devo confiar nela, porque a natureza sempre está certa.

Os intervalos começaram a ficar curtos. O Lipe foi o marido-assistente de parto-domiciliar dos sonhos, fez tudo, tudo certo. Se desdobrou em mil e sequer tropeçou em seu medo (se é que existia) para que eu o considerasse um marido comum. Porque ele não era apenas isto. O Lipe foi o companheiro forte e calmo que por dificuldades biológicas, não emocionais, aguardava ver um filho nascer há 6 anos! O amor e a sensualidade da união, para mim de alguma forma, contribuiu muito para o parto.

Entre uma contração e outra, ela me debochava de mim falando que eu era muito fresca porque dizia que meus partos foram doloridos. Eu achava muito engraçado uma mulher com 9 de dilatação ter condição de ser irônica. Foi essa intimidade, sinceridade e clareza que nos aproximaram.
A bolsa só então rompeu.

Próximo ao parto, a bateria da câmera acabou e a energia elétrica também. Nada de youtube! Lamentei porque outras mulheres nunca conhecerão a mulher que eu conheci aquele dia. Mas não as furtarei de saber através do que eu tenho a dizer: não só ela, mas eu também vivi uma grande emoção aquele dia.

Estávamos todos em perfeita sintonia. Quando o Tom começou a descer.
A esta altura (quando realmente resolveu vir, depois de mais de 2h de expulsivo), ele veio em poucas contrações. 3 ou 4, quando a Renata pela primeira vez gritou. Ele veio lindo... todo enrolado em seu precioso cordão.

O Chico o entregou à mãe, ainda dentro dágua, apoiada por trás pelo Lipe. Apgar 1000.
Estávamos todos em êxtase. A ocitocina é de fato contagiosa!

O Tom foi para o colo da mãe que dizia aquelas “palavras pós parto” de mulher empoderada...”Nós conseguimos, meu amor! Nós fizemos tudo certo... Eu não te disse que ia ser assim?”
O pai cortou o cordão vários minutos após a chegada do Tom.

O pai da Renata só chegou depois e não acreditava no que via porque tinha muito receio de parto em casa. Mais tarde chegou a irmã mais alegre do mundo e a paixão de uma vida inteira. Foi emocionante ver a primeira troca de olhares de um amor que jamais terminará. Companheiros, parceiros e amigos... É isso que os grandes irmãos são.

A Renata sentiu muito frio logo depois e a deitamos na cama para cobri-la. Colocamos novamente o Tom junto a ela e, sem dificuldades, ele mamou.

A placenta levou mais tempo que o Tom para nascer: 3 horas. Mas veio sem problemas.
O Chico então se foi.
Tiramos fotos de tudo que é jeito. A Maiara estava tão feliz. A Renata estava tão feliz. Eu estava tão feliz!

O parto demorou mais do que todos pensávamos, mas eu não tive medo. Aprendi muito com esta família e sei que a recíproca é verdadeira.

Este parto me trouxe muita motivação e fé. Não fé religiosa, mas fé de confiança. Fé de que as coisas quando vão dar certo, provavelmente darão seus sinais. E que alguns aspectos como a sexualidade têm absolutamente TUDO a ver com o parto.

Deixei aquela casa por volta de 19h extasiada, completamente inundada de coisas boas.

Alguns dizem que foi sorte... Não acredito em sorte e só quem vive uma experiência assim pode compreender que parto e maternidade não podem ser reduzidas a sorte e azar e que entender isso é questão de tempo.
Eu sempre curto, vai, mas tenho que dizer que amei esse parto.

Eu não assisto novelas, mas daqui de longe a partir de agora, vou assistir sua excitante, simples e surpreendente vida. Mas jamais como uma expectadora imparcial.

2 comentários:

Renata Dias Gomes disse...

Dydy, só posso dizer uma coisa: MUITO OBRIGADA.
Por ter estado aqui e por ter escrito esse texto que me fez reviver esse dia especial.

PaulaZZT disse...

Ai, Dydy, eu tinha acabado de ler o blog da Renata em que ela mencionava que queria falar desse parto. E ai venho ler seu relato... Ai, ai, que emocionante. Obrigada por compartilhar!
Bjoks
Paula

Eles já me visitaram